Umbanda: Texto: Zé Pilintra ou Zé Pelintra
 


Zé Pilintra ou Zé Pelintra
 
O perfil do Orixá
 

Falamos até agora sobre os Orixás, quem são eles, sobre algumas de suas características e falamos também sobre os Guias ou Entidades, mas de uma maneira geral.

Agora a disposição é falar um pouco mais sobre determinados Guias ou Entidades, e as suas maneiras peculiares de trabalho.

Zé Pilintra é uma das entidades que tem um dos comportamentos mais exóticos e interessantes que já pude presenciar: ZÉ PELINTRA (ou ZÉ PILINTRA)!

Antes de começar a discorrer sobre o que se conhece desse Malandro incorrigível, mulherengo, birrento, arruaceiro, mas de um coração enorme, é preciso que se entenda que toda Entidade, tem uma histó-ria, uma cultura, pois foi tão humano quanto nós quando encarnada.

Após o desencarne e a consequente espiritualização, poderá ocorrer que sua manifestação venha a se dar em outros centros regionais di-ferentes do que consta em sua biografia humana e assim, quando ma-nifestada, poderá demonstrar outras culturas que não as de sua pro-cedência humana.

Isso quer dizer que a mesma Entidade poderá manifestar-se diferen-temente em lugares diferentes, sem que isso implique em mistifica-ção.

Tal fato acontece porque, pela necessidade do ingresso nas falanges espirituais, afim de prestar seu trabalho nesta nova roupagem, os espíritos, agora desencarnados, aproximam-se desta ou daquela fa-lange, por simpatia ou determinação superior, mas guardam caracte-rísticas bastante marcantes de suas existências materiais.

Melhor entendendo

Zé Pelintra, tem como característica principal, a malandragem, o amor pela noite.

Tem uma grande atração pelas mulheres, principalmente pelas pros-titutas, mulheres da noite, além de outras características que mar-cam a figura do Malandro.

Isso quer dizer que em vários lugares, de culturas e características regionais completamente diferentes, sempre haverá um Malandro.

O Malandro de Pernambuco dança coco, xaxado, passa a noite inteira no forró.

No Rio de Janeiro ele vive na Lapa, gosta de samba e passa suas noi-tes na gafieira.

Atitudes regionais bem diferentes, mas que marcam exatamente a fi-gura do Malandro.

Isso bem explicado, vamos conhecer mais de perto esse grande Cama-rada.

Conheçam essa maravilhosa entidade: “SEU ZÉ”.

José Gomes da Silva, nascido no interior de Pernambuco, era um ne-gro forte e ágil, grande jogador e bebedor, mulherengo e brigão.

Manejava uma faca como ninguém, e enfrentá-lo numa briga era o mesmo que assinar o atestado de óbito.

Os policiais já sabiam do perigo que ele representava.

Dificilmente encaravam-no sozinhos, sempre em grupo e mesmo as-sim não tinham a certeza de não saírem bastante prejudicados das pendengas em que se envolviam.

Não era mal de coração, muito pelo contrário, era bom, principal-mente com as mulheres, as quais tratava como rainhas.

Sua vida era a noite, sua alegria as cartas, os dadinhos, a bebida, a farra, as mulheres e por que não, as brigas.

Jogava para ganhar, mas não gostava de enganar os incautos, a estes sempre dispensava, mandava-os embora, mesmo que precisasse dar uns cascudos neles.

Mas ao contrário, aos falsos espertos, aos que se achavam mais capa-zes no manuseio das cartas e dos dados, a estes enganava o quanto podia e os considerava verdadeiros otários.

Incentivava-os ao jogo, perdendo de propósito inicialmente, quando as apostas ainda eram baixas e os limpando completamente ao final das partidas.

Isso bebendo Aguardente, Cerveja, Vermouth, e outros alcoólicos que aparecessem.

Esta entidade anda pelo mundo todo, suas manifestações apresen-tam-se em todos os cantos da terra.

A pouco teve-se notícia pelos diários, de uma médium que o incorpo-rava nos Estados Unidos.

No Rio de Janeiro aproximou-se do arquétipo do antigo Malandro da Lapa, contado em histórias, músicas e peças de teatro.

Alguns quando se manifestam, vestem-se a caráter.

Terno e gravata brancos.

Mas a maioria gosta mesmo é de roupas leves, camisas de seda, e jus-tificam o gosto lembrando que a seda, a navalha não corta.

Bebem de tudo, da Cachaça ao Whisky, fumam na maioria das vezes cigarros, mas utilizam também o charuto.

São cordiais, alegres, dançam a maior parte do tempo quando se apresentam, usam chapéus ao estilo Panamá.

Podem se envolver com qualquer tipo de assunto e têm capacidade espiritual bastante elevada para resolvê-los, podem curar, desamar-rar, desmanchar, como podem proteger e abrir caminhos.

Têm sempre grandes amigos entre os que os vão visitar em suas ses-sões ou festas.

Existem também as manifestações Femininas da Malandragem: Maria Navalha é um bom exemplo.

Manifestam-se como características semelhantes aos malandros, dan-çam, sambam, bebem e fumam da mesma maneira.

Apesar do aspecto rude, demonstram sempre muita feminilidade, são vaidosas, gostam de presentes bonitos, de flores, principalmente as rosas vermelhas e vestem-se sempre muito bem.

Ainda que tratado muitas vezes como Exu, Zé Pelintra não é Exu.

Essa ideia existe porque quando não são homenageados em festas ou sessões particulares, manifestam-se tranquilamente nas sessões de Exu e se parecem com eles.

Há um ponto inclusive que lembra muito essa amizade entre Exus e Zé Pelintras.

Tranca Ruas e Zé Pelintra são dois grandes companheiros, Tranca Ruas na Encruza, e Zé Pelintra no Terreiro.

No Nordeste do Pais, mas precisamente em Recife, ainda que nas ves-tes de um Malandrão, a figura de Zé Pelintra, tem uma conotação completamente diferente.

Lá, ele é doutor, é curador.

É Mestre e é muito respeitado.

Em poucas reuniões não aparece seu Zé.

Lá vem Zé, lá vem Zé,
Lá vem Zé, lá da Jurema.
Lá vem Zé, Lá vem Zé,
Lá vem Zé do Juremá.

A Jurema aqui cantada é o local sagrado onde vivem os Mestres do Catimbó, religião forte do Nordeste, muito aproximada da Umbanda, mas que mantém suas características bem independentes.

Na Jurema, Seu Zé, não tem a menor conotação de Exu, a não ser quando a reunião é de esquerda, por que o Mestre tem essa capaci-dade, tanto pode vir na direita quanto na esquerda.

Quando vem na esquerda, não é que venha para praticar o mal, é jus-tamente o contrário, vem revestido desse tipo de energia para poder cortá-la com mais propriedade e assim ajudar mais facilmente aos que vem lhe rogar ajuda.

No Catimbó, Seu Zé usa bengala, que pode ser qualquer cajado, fuma cachimbo e bebe cachaça.

Dança Coco, Baião e Xaxado, sorri para as mulheres, abençoa a todos, que de maneira carinhosa e respeitosa o abraçam, chamando-o de “Meu Padrinho”.

Assim é nossa querida Umbanda, seus Guias e Entidades podem se manifestar em qualquer cultura mantendo sua individualidade.

Dão chance dessa maneira, de que qualquer um, em qualquer lugar que esteja, possa ter a oportunidade de conhecê-los e usufruir de seus poderes e força espiritual.

Ah! Seu Zé, que felicidade tenho em conhecê-lo, quanto já me ensi-naste, quanto já me ajudaste!

Sua força reside na amizade que dissemina, na camaradagem que lhe é peculiar, na força espiritual que possui!

Possa permitir Deus, meu amigo, que possas sempre estar fortalecido no trabalho da caridade e que cada vez mais, sua evolução espiritual ascenda, e assim sendo, auxilie cada vez mais a todos que lhe procu-ram!

Tem gente que me chama de amigo,
Mas não possui no coração a lealdade,
Se pensam que me enganam eu não me iludo,
Sem lealdade não existe amizade, é só falsidade!

Alguns pontos demonstram essa ligação de Seu Zé com a Malandra-gem, a noite e as mulheres.

De madrugada quando vou descendo o morro,
A nega pensa que eu vou trabalhar.
Eu boto meu baralho no bolso,
Meu cachecol no pescoço.
E vou pra Barão de Mauá!
Mas trabalhar, trabalhar pra quê?
Se eu trabalhar eu vou morrer.
De dia numa linda batucada
De noite nos braços da amada.
Qual é que é, Seu Zé. Qual é que é?
Eu sei que seu caso é mulher.
Lá no morro é, que é lugar de tirar onda.
Tomando Brahma de meia, jogando baralho e ronda.

Pode-se notar o apelo popular e a simplicidade das palavras e dos ter-mos com os quais são compostos os pontos e cantigas dessa entidade.

Assim é ele, simples, amigo, leal, verdadeiro.

Se você pensa que pode enganá-lo, ele o desmascara sem a menor cerimônia na frente de todos.

Apesar da figura do malandro, do jogador, do arruaceiro, detesta que façam mal ou enganem aos mais fracos.

Sempre que estiver no aperto, grite por Seu Zé, ele com certeza esta-rá bem próximo para lhe ajudar.

Salve a Malandragem.

Pub 2017

Se desejar conhecer mais sobre
a Umbanda clique em
Voltar