Umbanda: Texto: Significado de palavras
 
e termos em Umbanda e Candomblé
 


Significado de palavras e termos
em Umbanda e Candomblé

A

ABAÇÁ - Templo, tenda, terreiro de Umbanda.

ABACÊ (ABÁ) - Cozinheira que prepara as comidas de Santo, no culto Gegê.

Cozinheira(o) que conhece e prepara as comidas dos Orixás.

Cozinheira do culto.

ABADÁ - É o nome dado a uma túnica larga e de mangas compridas, usada nos terreiros pelos homens.

ABALÁ - Comida muito semelhante ao acarajé.

ABAÔ - Quer dizer um iniciando do sexo masculino, desenvolvendo-se mediunicamente no terreiro de Umbanda.

ABARÁ - Comida dos Pretos africanos como seja bolo de feijão, que vem enrolando em folha de bananeira.

ABEDÊ - É o leque de Oxum, quando feito de latão.

ABÔ DOS AXÉS - Água contendo ervas maceradas, não cozidas, e san-gue de animas sacrificados no terreiro de Candomblé. (na Umbanda não se utiliza sangue nos rituais).

ABRIR A GIRA - Significa o início ou abertura dos trabalhos nos ter-reiros de Umbanda.

ABROQUE - É um manto usando somente pelas mulheres durante uma sessão.

ACAÇÁ - Comida originária da África, com aparência de bolo de angu de arroz.

ACARAJÉ - Comida de santo feita na base de feijão fradinho com pi-menta malagueta e outros temperos. Comida de Iansã.

ACENDE CANDEIA - Planta muito utilizada para banhos conhecida tam-bém como Candeia-Mucerengue.

ACHOCHÔ - Nome dado à uma comida de Oxossi.

ADARRUM - É o toque feito seguidamente pelos atabaques quando da invocação dos protetores para incorporarem nos médiuns.

ADEJÁ (ADJÁ) - É uma campainha (sino) usada nas cerimônias de ter-reiro.

Sino de alumínio ou cobre de três bocas.

AGÔ - Significa pedir licença ou permissão, em outros momentos em que este termo traduz perdão e proteção pelo que se está fazendo.

AGURÊ - Toque em ritmo muito lento para chamar Iansã.

AGODÔ (OGODÔ) - Uma qualidade de Xangô.

AGONJÚ (AGANJU) - Um dos doze nomes de Xangô conhecidos no Bra-sil.

AIA - Toalha branca para uso em terreiro.

AIOCÁ - Referente a Iemanjá e ao fundo do mar. Ver AIUKÁ.

AIUKÁ - Fundo do mar. Também se diz os domínios de Iemanjá (Rai-nha do Aiuká).

AJUCÁ - É a festa da Cabocla Jurema entre os capangueiros.

Nessa festa há defumações no terreiro, bebidas e comidas, tudo com a finalidade de duplicar a proteção no terreiro e gerar mais fartura nas casas dos filhos de fé.

ALDEIA - Povoado de índios.

Tratando-se de terreiros, esta palavra quer dizer a moradia dos espí-ritos de caboclos na Aruanda.

ALGUIDAR - Bacia de barro usada para entregas, ascender velas, de-posito de banhos, entrega de comidas e defumação.

Vasilha de barro onde se coloca comida votiva.

AMACI (AMASSI) - Batismo na Umbanda.

Líquido preparado com o suco de diversas plantas, não cozidas, e que tem muita aplicação na firmeza de cabeça dos médiuns.

O principal banho para o ritual da “lavagem de cabeça”.

Ritual equivalente a raspagem de cabeça no Candomblé e ao batismo na Igreja Católica.

AMACI-NI-ORY - Líquido preparado de folhas sagradas, maceradas em água.

É destinado a banhar a cabeça dos médiuns.

Cerimônia da lavagem (feitura) de cabeça dos médiuns.

AMALÁ - Comida de Santo.

Também se denomina a todo ritual que o umbandista ao manipular alimento deve dispensar atenção, amor e especial carinho, fazendo por completo a Homenagem ao Orixá.

Dar de comer ao Santo”.

AMOLOCÔ - Comida de Oxum.

AMPARO - Chicote sagrado usado especialmente para afastar espíritos atrasados e maléficos.

ANGOMBA - É a designação para um segundo atabaque.

APARELHO - Médium.

Designa a pessoa que serve de suporte para a “descida” da Entidade do médium.

ARAUANÃ - Dança ritual africanista para quebrar demandas e trazer alegrias.

ARIAXÉ - Banho preparado com ervas e folhas.

Esse banho consta mais de vinte e uma diferentes espécies de vege-tais.

Preparado somente pelo próprio chefe de terreiro.

ARIMBÁ - Pote de barro para guardar o azeite de dendê.

ARIPÓ - Panela muito semelhante ao alguidar de barro.

ARUANDA - Céu, Paraíso, Nirvana ou Firmamento significam a mesma coisa, isto é, a moradia daquele que é Criador de todos os mundos e de todas as coisas.

Plano Espiritual Elevado.

ARUÊ - Saudação a Exu (Aruê Exu ou Laroiê Exu)

Termo também usado para espíritos desencarnados.

ASSENTAMENTO DE ORIXÁ - É o lugar no pegi onde é colocada a re-presentação de Orixá, ou do seu fetiche, ponto riscado, etc.

ASSENTO - Termo utilizado para um local preparado para um Orixá ou Exu.

Santuário exclusivo.

AXÉ - Força invisível, mágica e sagrada.

É a força mágica do terreiro representada pelo segredo composto de diversos objetos pertencentes as linhas e falanges.

Força bendita e divina. Poder que emana dos Orixás.

AXEXÊ - Cerimônia fúnebre iorubana.

Semelhança com a missa de 7º dia católica.

AXOGUM - Nome dado ao encarregado de sacrificar animas quando não é feito pelo Chefe do Terreiro.

Muito comum nos cultos de Candomblé nagô.

AZÊ - Capuz de palha. Ornamento da roupa de Omulú.

AZEITE DE DENDÊ - Óleo baiano extraído do dendezeiro, sendo muito utilizado na culinária dos Orixás.

B

BABÁ - Termo que entra em grande número de palavras, com diferen-tes significados.

No sentido de pai, compõe o nome de diferentes sacerdotes como: Babalorixá - Baba-ojê - Babalaô - Babalossain.

Chefe feminino nos templos de umbanda (Mãe de Santo)

BABALAÔ - Guardião que possui a chave do mistério.

Pai de Santo. Chefe de terreiro. (baba = pai - laô = completo, tudo = “um pai para tudo”).

Títulos de Orixá nos Candomblés.

BABALORIXÁ - Chefe masculino de Terreiro, Sacerdote de Candom-blé, ou de Umbanda (a Umbanda também usa = Babalaô).

Denominado popularmente “Pai de Santo”.

Pessoa que dirige todos os trabalhos no Terreiro (administrativo e sa-cerdotal).

Orienta a vida espiritual dos médiuns, filhos de fé e assistência do Terreiro.

BABUGEM - Restos de comidas e bebidas que sobram no terreiro.

BACURO DE PEMBA - Filho de Santo.

BAIXAR - Termo que quer dizer incorporação das Entidades/Orixás nos médiuns.

Esse termo designa que toda Entidade que vem do Céu (Plano Astral Superior), ou seja, da Aruanda, baixe das alturas para a Terra.

BALANGANDÃ - Enfeites e ornamentos.

Podem também ser amuletos.

BALÊ - Casa dos Espíritos mortos (desencarnados).

BAMBA - Temível, valente.

BANDA - Termo utilizado para designar a linha espiritual a qual per-tence determinada Entidade.

Lugar de origem de Entidade.

BANHO DE DESCARREGO - Banho preparado com ervas sagradas, de acordo com o Orixá de cada indivíduo, para purificar o perispírito e afastar vibrações negativas.

Obs. É tomado, após o banho de asseio, apenas do pescoço para baixo, só na parte da frente do corpo.

BARRACÃO - Termo usado pelos leigos para designar o local da práti-ca ritual.

Terreiro.

BASTÃO-DE-OGUM - Espécie vegetal de Espada-De-São-Jorge.

BATER-CABEÇA - Reverenciar.

Ritual que quer dizer cumprimentar respeitosamente e humildemen-te.

Abaixar-se aos pés do Congá (altar) ou de uma Entidade tocando com a testa ou cabeça no chão.

Representa respeito e humildade.

BATER PARA O SANTO - Tocar os atabaques com o ritmo peculiar a determinado Orixá.

BEJA - Cerveja branca.

BENTINHO - Escapulário que traz pendurado no pescoço e contém orações, rezas e figuras de santos.

Patuá.

BETULÉ - Machado feito de pedra e bambu para Xangô.

BILONGO - Amuleto muito usado por caçadores para proteção.

BOLAR NO SANTO - Início incompleto de transe que ocorre com os médiuns sem preparo ou iniciantes.

Animismo.

BOMBO-GIRA - O mesmo que Pomba-gira.

Denominação de Pomba-gira em Congo.

Exu mulher.

BORÍ - Ato cerimonial no qual o filho de santo oferece sua cabeça ao Orixá.

Cabeça.

BOTAR NA MESA - Atendimento ao consulente através de oráculo.

Baixar cartas (Tarot).

BURRO - Termo usado pelos Exus incorporados para designar o médi-um.

C

CABAÇA - Vasilha feita do fruto maduro do cabaceiro depois de reti-rado o miolo.

Utilizado também como moringa de bebida (água) e para fazer cuias de chimarrão.

CABAIA - Assim é denominado uma túnica de mangas largas utilizada por médiuns e ou cambones.

CABEÇA-FEITA - Médium que já passou pelo ritual do Amaci.

Denominação do médium desenvolvido, já cruzado no Terreiro, com seu Orixá de Pai de cabeça definido.

CAIR NO SANTO - Transe mediúnico de quem ainda não está prepara-do para incorporar.

CALUNGA PEQUENA - Cemitério.

CALUNGA GRANDE - Oceano, mar.

CAMBONO (CAMBONE) - Auxiliar de Médiuns de Incorporação e o Ser-vidor dos Orixás.

O cambone é o médium que auxilia o consulente (leigo) a entender as Entidades.

Auxiliar de culto.

CAMOLETE - Lenço branco de tamanho grande colocado na cabeça dos médiuns durante alguns rituais.

Pano de cabeça.

CAMUCITÊ - Nome dado ao altar, Congá - Pegi.

CANJIRA - Lugar onde são realizadas danças religiosas.

Curimba no meio do Terreiro.

CANZUÁ (CAZUÁ DE QUIMBÉ) - Designações no Candomblé para o Ter-reiro - Casa de Culto - Tenda Espiritual - Local.

CAPANGUEIRO - Termo usado no sentido de companheiro (Umbanda). Comprador de diamantes em pequenas porções.

Denominação dada ao capanga, pequeno avental com o qual os dire-tores ou grandes iniciados do Toré participam do ritual de cura ou culto ameríndio, comum no Nordeste brasileiro.

CARICÓ - Templo, Terreiro.

CARREGADO - Pessoa que está com vibrações espirituais maléficas causadoras de sintomas como mal-estar, medo sem causa, etc.

CARURUTO - Charuto.

CATERETÊ - Designação de um ritual espírita do Estado do Maranhão.

CATULÁ - Anular um trabalho de magia negra.

CAVALO - Médium dos Guias de Umbanda.

Pessoa que serve de suporte para os Orixás ou Entidades.

CENTRO - Terreiro, tenda de Umbanda, Cazuá.

CHEFE DE CABEÇA - É um dos nomes como é designado o Guia-Chefe do médium de terreiro que tenha sido desenvolvido e cruzado no mesmo.

Pai de cabeça.

COISA FEITA - Quer dizer trabalho feito para levar o mal a alguém, despacho maléfico, feitiço, bruxaria.

COITÉ (COETÊ) - Fruto do coitezeiro - seco ou partido com o meio pintado por dentro e por fora (cuia).

Alguns usam coco, outros cabaça.

CONGÁ (Gongá ou Congar) - A palavra gongá é de origem banto, é utilizada no ritual de Umbanda para denominar o “altar sagrado” do Terreiro.

Este altar é composto de imagens de Santos Católicos, Caboclos, Pre-to-Velhos e outras.

COMPADRE - Designação para Exu.

CORPO FECHADO - Nenhum espírito maléfico pode incorporar no mé-dium, ou nenhum espírito pode trazer o mal a pessoa que tem o cor-po fechado.

CORREDOR DE GIRAS - Frequentador que passa por vários terreiros, sem ter firmado compromisso espiritual com nenhum deles.

CREDO EM CRUZ - Creio na cruz. Interjeição que traduz espanto, ad-miração ou repulsa.

CURIAR - Comer ou beber.

CURIAU - Comida de Santo, despacho.

CURIMAR - Cantar. Entoar pontos cantados.

CURIMBA - Dança do Orixá ou Entidade no meio do Terreiro.

Conjunto de instrumentos musicais do terreiro.

Os instrumentos que compõe a curimba: atabaques, tambor, agogôs, chocalhos, berimbau, violões, etc.

Curimba é a orquestra de um terreiro.

CURIMBAR - Dançar cantando.

CURUMIM - Do tupi Kurumí - menino.

D

DAR FIRMEZA AO TERREIRO - Riscar ponto na porteira, sob o altar, de-fumar, cantar pontos, etc.

São feitas antes de uma sessão, para afastar ou impedir a entrada de más influências espirituais.

DAR PASSAGEM - Ato do Orixá ou guia deixar o médium para que ou-tra Entidade nele se incorpore.

DAR PASSES - Axé da Entidade transmitido através do médium in-corporado.

Emitir vibrações que anulem as más influências e mazelas sofridas pelos consulentes através de feitiço, olho gordo, inveja, etc.

Abrir os caminhos do consulente através do Axé do Orixá.

DANDÁ - Vegetal, espécie de capim, que exsuda um odor, muito usa-do em trabalhos, como banho e defumações em ritual de Umbanda.

DANDALUNDA - Outro nome dado a Janaína, Iemanjá, ou Mãe Dandá.

DAR COMIDA AO SANTO - Entrega, agrado, oferecimento de alimen-tos aos Orixás com o objetivo de receber Axé em troca. (Ver Amalá).

DECÁ - Bracelete ritual que o filho de santo recebe após sete anos de sua primeira saída da camarinha no Candomblé.

DEMANDA - Desentendimento.

DESCARGA - Ação para afastar do corpo de alguém, ou de um ambi-ente, vibrações negativas ou maléficas por meio de: banhos, passes, defumação, queima de pólvora e etc.

DESCARREGAR - Livrar alguém de vibrações maléficas ou negativas.

DESCARREGO - O mesmo que descarregar.

Despachar restos de vela, pontas de charuto e demais sobras do tra-balho da Entidade em local adequado.

DESCER (DESCIDA) - Ato de Orixá ou Entidade incorporar.

Quando as Entidades Espirituais vão incorporar no médium.

DESENCARNAR - Ato do espírito da pessoa deixar o corpo – morrer.

DESENVOLVIMENTO - Treino do iniciado nos trabalhos espirituais vi-sando seu aperfeiçoamento mediúnico e pessoal.

Aprendizado dos iniciados para melhoria de sua capacidade mediúni-ca, com a finalidade de incorporação de Entidades.

DESMACHE - Espécie de muleta usada em alguns terreiros como ins-trumento de Xangô.

DESMANCHAR TRABALHOS - É tornar livre uma pessoa dos efeitos de trabalho de enfeitiçamento, como também beneficiar alguém que te-nha sido vítima de magia negra.

DESPACHAR - Entregar ao Orixá o que é do Orixá.

Despachar também é um termo usado para tudo que é sagrado, seja comida de santo, seja qualquer objeto sacro seja entregue num local adequado a cada Orixá.

DESPACHO - Trabalho entregue para anular um feitiço, desmanchar trabalhos de magia negra.

DIA DE OBRIGAÇÃO - É o dia de sessão quando os médiuns e os consu-lentes observam certos atos do ritual umbandista e cumprem tudo quanto lhes é determinado pelos Guias.

DILONGA - Prato que representa uma das ferramentas, ou melhor, um dos utensílios de Ogum.

DOBALÊ - É assim chamada a saudação dos médiuns que possuem gui-as femininos.

DOLOGUM (DILOGUM) - Guia com 16 fios.

E

EBAME (EBAMI) - Filha de Santo com mais de 7 anos.

EBI - Serpente que é representada por um ferro retorcido, fazendo parte da ferramenta de Xangô, colocada junto com o machado.

EBIANGÔ - Planta muito usada pelos negros em amuletos e que é tida como portadora de virtudes mágicas, como por exemplo, afastar espí-ritos maléficos.

EBIRI - Símbolo de Oxumarê.

EBÔ - Despacho. Presente para Exu.

Oferta que se oferece em encruzilhadas ou em qualquer outro local.

EBÓ - Líquido com vários vegetais não fermentados, sendo preparado para diversos casos: Banhos, Banhos para a cabeça, Limpeza de am-biente, etc.

Cada Ebó tem um preparo diferente para cada situação diferente.

Antes de ser usado, é benzido por um Guia.

EBOMIM - Designação do médium feminino quando conta mais de 7 anos de desenvolvimento.

EGUNGUN - Materialização de encarnados.

Aparição.

Evocação de Ancestrais e Espíritos Protetores.

EGUN - Nome genérico dos espíritos dos mortos (desencarnados).

EGUNS - Espíritos desencarnados. Almas.

EJILÉ - Pomba que é destinada ao sacrifício com a finalidade de ser empregada em algum trabalho. (Camdomblé)

EKEDI (EQUÉDE) - São as auxiliares femininas das Mães-Pequenas.

Ekedis não incorporam, mas tem autoridade sobre as Entidades  como uma Mãe Pequena.

ELEDÁ - Anjo da Guarda.

ELEGBÁ - Espírito Maléfico.

Entidade que trabalha somente com Magia Negra.

ENCANTADO - Ser que não morreu, foi arrebatada.

ENCOSTO - Espírito de pessoas mortas.

Que se junta a uma pessoa viva, conscientemente ou não, prejudi-cando-a com suas vibrações negativas.

ENCRUZA - É o cruzamento dos caminhos, vias férreas, ruas, etc.

Habitat de Exu.

ENCRUZAR (CRUZAR) - Ritual umbandista no início de um período ou sessão, consistindo em fazer uma cruz com a pemba na Nuca, na Palma da mão, na Testa do médium e na Sola do pé.

Isso fecharia o corpo do médium e protegeria, fortificaria sua mediu-nidade e ajuda também a estabelecer uma ligação mais firme com os Guias Espirituais.

No encruzamento dos médiuns é entoado um canto próprio para a ocasião.

ENDÁ - Diz-se a coroa imaterial que acompanha o médium em desen-volvimento após a iniciação.

Sinônimo de aura.

Também é como os antigos chamavam os Babalorixás de Umbanda quando visitavam um outro terreiro e os ogãs puxavam a cantiga:

Saravá o Endá, Saravá Oxalá a coroa do Babá

ENFORCADO - Ver espírito obsessor. Quiumba.

ENGIRA - O mesmo que Gira – Trabalho – Sessão.

ENGOMA - Conjunto de instrumentos musicais usados no Terreiro. Atabaques.

ENTIDADES - Seres espirituais na Umbanda.

ERÊ - Espírito infantil. Criança.

ERÓ - Segredos e ensinamentos revelados aos médiuns e iniciados no terreiro em seu desenvolvimento.

ERUEXIM - Rabo de cavalo, espécie de espanador usado por Iansã.

ESPIRITISMO DE LINHA - Designação dada a Umbanda e as sessões no terreiro.

ESPIRITISMO DE MESA - Sessão espírita Kardecista.

Designação dada a Umbanda nas sessões de cura por médicos incorpo-rados.

ESPÍRITO DE LUZ - Espírito com alto grau de evolução, superior e pu-ro.

ESPÍRITOS OBSESSORES - Espíritos com muito pouco ou mesmo ne-nhum desenvolvimento, são Entidades que se apossam das pessoas, fazendo-as sentirem doentes e prejudicando-as em todos os sentidos.

EXÊS - Partes dos animais sacrificados para serem oferecidos aos Ori-xás. (Camdomblé)

F

FALANGE - O mesmo que legião, conjunto de seres espirituais que trabalham dentro de uma mesma corrente (linha).

Subdivisão das linhas de Umbanda, cada uma com suas funções defi-nidas e dirigidas por um “chefe” – espírito superior.

Falange em Umbanda significa a subdivisão de Linhas onde cada fa-lange é composta de um número incalculável de espíritos orientados por um Guia chefe da mesma.

FALANGEIRO - Espírito pertencente a uma determinada Falange.

FAZER MESA - Abrir a sessão, abrir a gira.

FAZER OSSÊ - Cerimônia semanal, no Candomblé, que consiste no ofe-recimento de alimento e/ou bebida preferida dos Orixás.

FECHAR A GIRA - Encerrar uma sessão ou uma cerimônia em que te-nha havido formação de corrente vibratória.

Encerrar os trabalhos no terreiro.

FECHAR A TRONQUEIRA - Ato de defumar e cruzar o Terreiro - os quatro cantos do terreiro - evitando que espíritos perturbadores ou zombeteiros atrapalhem o culto.

FEITO - É o médium masculino desenvolvido dentro do terreiro.

FEITO DE SANTO - Iniciação do desenvolvimento de um médium.

FEITA(O) NO SANTO - Médium que teve o cerimonial de firmeza de cabeça por haver completado seu desenvolvimento mediúnico.

FILHO(A) DE FÉ - Designação do médium iniciante ou não.

Denominação para adeptos da Umbanda.

FILHO OU FILHA DE SANTO - Médium que se submeteu a doutrina e to-do ritual.

FIRMA - Peça central da guia utilizada pelos iniciados pendurada no pescoço durante as sessões, é colocada no ponto no qual a guia de proteção é amarrada/fechada.

FIRMAR - Concentrar-se para a incorporação.

FIRMAR ANJO DA GUARDA - Fortalecer por meio de rituais especiais e oferendas de comida votivas e Orixá patrono do médium.

FIRMAR PORTEIRA - Riscar a entrada do templo, um ponto especial para protegê-lo de más influências ou fazer defumação na entrada.

É a segurança para os trabalhos da sessão que será realizada.

FIRMAR PONTO - Cantar coletivamente o ponto (cântico) determina-do pela Entidade que vai dirigir os trabalhos para conseguir uma con-centração da corrente espiritual.

O Ponto Firmado pode ser apenas cantado como também riscado ou a combinação de ambos.

Significa também quando o Guia dá seu ponto cantado e/ou riscado, como prova de identidade.

FIRMEZA - O mesmo que segurança, conjunto de objetos com força mística (Axé), que enterrados no chão protegem um terreiro e consti-tuem sua base espiritual.

FORÇA ESPIRITUAL - Poderes e conhecimento que um médium tem quando em transe e quando as Entidades que o protege têm.

Grande poder, são fortes e importante no mundo astral.

FUNDAMENTOS - Leis de Umbanda, suas crenças.

FUNDANGA - Pólvora.

G

GANGA - A palavra Ganga, na realidade “Nganga” palavra de origem Kimbundo significa mágico, feiticeiro ou vidente.

Para os Angola-congolenses seria a denominação do chefe supremo, seria o mesmo que Tata ou o Grande Alufá.

O nome Ganga denomina os chefes dos antigos terreiros cabindas.

GANZÁ - Instrumento musical.

GARRAFADA - Bebida preparada com a maceração de ervas em aguar-dente ou água.

GIRA - Sessão espírita com cânticos e danças para cultuar as Entida-des e Orixás.

Corrente espiritual.

Caminho.

GONGÁ (CONGÁ ou CONGAR) - Altar no qual os Santos católicos são sincretizados com os Orixás africanos.

Altar principal de um Terreiro de Umbanda.

GUIA - Colar ritualístico especial para cada Entidade, feito com mi-çangas de cristal e/ou de porcelana, da cor especial do Orixá ou Enti-dade Espiritual que representa e identifica.

GUIA pode também significar o próprio Orixá, ou uma Entidade espiri-tual, espírito superior.

Alguns são os guias protetores do templo, outros do médium.

Geralmente o guia do terreiro incorpora no dirigente espiritual do terreiro.

GUIA DE CABEÇA (GUIA DE FRENTE) - Orixá ou Entidade principal do médium, seu protetor.

Pai de cabeça.

H

HALO - Luminosidade que envolve um espírito de grande elevação. Aura.

Auréola circular presente na cabeça de imagens de Santos e Anjos.

HOMEM DAS ENCRUZILHADAS (HOMEM DA RUA) - Exu.

HUMAITÁ - Do tupi-guarani: Hu = negro, ma = agora, itá = pedra – “a pedra agora é negra”.

Relativo a Ogum, sua morada/reino.

HUMULUCU - Comida Africana feita de feijão fradinho, azeite de den-dê e diversos temperos.

Também conhecida como Omolocum.

I

IJEXÁ - Ritual africano. Os adeptos do Ijexá temem os mortos (eguns) e apressam-se em expulsá-los dos terreiros.

INCORPORAR - Entrar em transe, “receber” a Entidade.

IORUBÁS (YORUBÁS) - Negros africanos que falam a linguagem Nagô.

IR PARA A RODA - Uma frase que traduz o desenvolvimento da medi-unidade na corrente.

ITÁ DE XANGÔ - Pedra caída junto com o raio.

Pedra de Xangô.

J

JABONAN - Assim chamada a auxiliar da Babá.

JACULATÓRIA - Oração curta.

Reza resumida e fervorosa.

JACUTÁ - Denominação de altar.

Casa do santo.

No Candomblé é um título dado a Xangô que significa “lutar com as pedras”.

Esse nome também se refere ao 5º dia da semana Yorubá, no qual Xangô é cultuado.

JESUS - Oxalá.

JIBONAN - Designação do fiscal de trabalhos do terreiro.

JUNTÓ (AJUNTÓ) - Conjunto de forças dos Orixás.

JUREMA - Uma das caboclas de Oxossi, chefe de falange.

Local onde todos os caboclos ficam espiritualmente.

A Jurema é a cidade, o lugar, do mundo espiritual conhecido por Ju-remá.

JUREMÁ - Na Umbanda os Caboclos vem de Aruanda, no Catimbó eles vem do Juremá.

O Juremá como no nosso mundo real, é composto de aldeias, cidades e estados ou reinados.

Nestes estados e cidades moram os encantados, mestres e caboclos.

K

KANZUÁ (CANZOÁ ou CANZUÁ) - Vem do Kimbundo e significa literal-mente cabana (cabaninha).

No Brasil quer dizer Terreiro, Salão, onde são realizadas as cerimôni-as, rituais afro-brasileiros, esta denominação é geralmente utilizada em terreiros bantos.

KAÔ - Saudação de Xangô. Salve! Viva!

KARDECISMO - Um dos pontos básicos em que se fundamentam todas as teorias espiritualistas.

Decodificação do Espiritismo por Alan Kardec, de onde se origina o nome Kardecismo.

KARMA (CARMA) - Do sânscrito कर, transl. Karmam, e em Pali, Kam-ma, “ação”.

É um termo milenar de uso religioso dentro das doutrinas budista, hinduísta e jainista, adotado posteriormente também pela Teosofia, pelo Espiritismo e por um subgrupo significativo do movimento New Age.

A palavra expressa um conjunto de ações dos homens e suas conse-quências.

É a consequência de vidas passadas, as quais dirigem a presente e or-ganizam as futuras encarnações.

KAURIS - Búzios, utilizados no jogo do delogum.

Outrora também serviram de dinheiro na África.

KIBANDA ou KIMBANDA - Ver Quimbanda.

KIUMBA (QUIUMBA) - Espírito maléfico e obsessor.

Espírito atrasado e sem nenhuma luz.

Zombeteiro.

Encosto.

L

LAÇAR O COBRERO - É assim chamada a oração que se escreve com tinta em volta do “cobrero” para fins curativos.

LÁGRIMAS DE NOSSA SENHORA - Além do capim e da miçanga, assim também são conhecidas as contas de semente dessa planta para con-fecção de terços, guias e outros objetos.

Bastante comuns nas guias de Pretos e Pretas Velhas.

LANCATÉ DE VOVÔ - É o mesmo nome por que é conhecida a igreja Nosso Senhor do Bonfim, em Salvador - Bahia.

LAVAGEM DE CABEÇA - A lavagem de cabeça é feita derramando-se o Amaci (banho preparado especialmente para essa cerimônia) sobre a cabeça do médium, enquanto se entoa um ponto de caboclo.

A confirmação do Guia de Cabeça verifica-se após a lavagem de cabe-ça, quando o Guia incorpora e risca seu ponto em frente ao Congá.

LEGIÃO - Exercito de seres espirituais, o mesmo que falange.

Conjunto de seres espirituais de grande evolução, conjunto de espíri-tos elementares (Exus) em evolução.

LEI DE UMBANDA - A crença da Umbanda e seus rituais.

LINHA - Faixa de vibração, dentro da corrente vibratória espiritual.

Um Orixá também chamado protetor e que é chefe dos seres que vi-bram e atuam nessa faixa.

Conjunto de falanges e que se subdivide uma faixa vibratória.

Conjunto de representações (corporal, dança, cores, símbolos) e ritu-ais (comidas, bebidas, dia da semana), etc., de cada Orixá ou Entida-de.

Conjunto de cerimônias rituais de determinado tipo.

Ex. Linha de Umbanda, Linha Branca, etc.

União das falanges, sendo que cada um tem seu chefe.

LINHA BRANCA - Linha de Guias que não cruzam com a linha da es-querda.

LINHA CRUZADA - Ritual com influência de duas ou mais procedên-cias.

É quando se unem duas ou mais linhas com o fim de tornar mais forte um trabalho no terreiro.

Normalmente esse cruzamento se dá com um guia da direita com um da esquerda.

LINHA DAS ALMAS - Corrente vibratória que congrega espíritos evo-luídos.

LINHA DE CURA - Ritual que se ocupa mais com a cura física e espiri-tual do adepto.

LINHA DO ORIENTE - Congrega espíritos que viveram em povos do Oriente.

- Em Yorubá significa partir. Neste caso partir tem o sentido de desincorporar, ir para o além, se referindo mesmo a “cantar pra su-bir”, o ato de o Orixá ou Entidade subirem.

M

MACAIA - Folhas sagradas.

Local das matas onde se reúnem os terreiros.

MACAIO - Coisa ruim e sem nenhum valor.

MACUMBA - Termo antigo que se denominava aos cultos dos escravos nas senzalas.

Candomblé, depois esse termo passou a ser vulgar e passou a nomear rituais de magia como o feitiço ou culto de feiticeiros.

Antigo instrumento musical usado outrora nos terreiros afro-brasi-leiros.

Nome (pejorativo) com que os leigos denominam “despacho” de rua e os rituais de Umbanda, Quimbanda e demais cultos afro-brasileiros.

MACUMBADO - Enfeitiçado.

MADRINHA - O mesmo que Mãe de Santo, Babá.

MÃE D´ÁGUA - Iemanjá.

MÃE DE SANTO - Médium feminino chefe ou dirigente de terreiro, Ma-drinha, Babá.

MÃE PEQUENA - Médium feminina desenvolvida e que substitui a Mãe de Santo.

Auxiliar das iniciadas (iaôs) durante o seu desenvolvimento mediúni-co.

MALEME (MALEIME ou MALEMBE) - Pedido de socorro, de clemência, de auxílio ou ajuda, de misericórdia.

Podem vir em forma de cânticos ou preces pedindo perdão.

Pedido de perdão.

MANDINGA - Feitiço, encantamento, também praga rogada em voz al-ta.

MANIFESTAÇÃO - Quando o corpo do médium é tomado por um Guia.

Conhecido também como transe mediúnico, incorporação.

MARACÁ - Do tupi mbaraká - chocalho usado em solenidades.

MARAFA (MARAFO) - Aguardente, cachaça. Bebida de Exu.

MATÉRIA - Corpo, parte material do homem, a mais afastada da pu-reza espiritual.

MAU OLHADO - Quebranto, feitiço.

Doença ou mal estar causado por um olhar mau, invejado.

MÉDIUM - Pessoa que tem a Faculdade Especial de servir de interme-diário entre o mundo físico e espiritual.

Termo do Espiritismo, adotado pela Umbanda.

MESA BRANCA - Trabalhos no terreiro quando há incorporação apenas de médicos e enfermeiras.

MEISINHA - Despacho, mandinga, trabalho.

MIRONGA - Feitiço, segredo, feitiço feito pelos Espíritos Nagôs.

Mistério.

MISTIFICAÇÃO - É o mais importante dos casos do falso espiritismo, pois constitui um recurso muito empregado por falsos médiuns, ou pessoas de má fé, com a vã finalidade de auferirem vantagens pecu-niárias e aumentarem sua fama e sua vaidade.

MUCAMBA - O mesmo que cambone.

MUKUIU - É um pedido de bênçãos (para a nação Bantu e para as Um-bandas derivadas) a resposta é Mukuiu N´Zamby (que Deus te aben-çoe).

Para os Jejê e também Ketu (e Umbandas derivadas), o pedido de benção será Kolofé e a resposta Kolofé Olorum.

MUZAMBÊ - Forte, vigoroso.

N

NAGÔ - Nome dado aos escravos originários do Sudão, na África.

Considera-se Nagô como a religião do antigo reino de Yorubá.

NIFÉ - Fé, crença na língua Yorubá.

NOMINA - Oração que é guardada num saquinho e pendurada no pes-coço como amuleto para proteção.

Patuá.

NURIMBA - Bondade, amor e caridade.

O

OBASSABÁ - O mesmo que abençoar, benzer.

OBASSALÉA - O mesmo que Obassabá.

OBATALÁ - Céu. Abóbada celeste. Deus.

OBÍ - Fruto de uma palmeira africana (Cola acuminata, Schott. & Endl. – STER-CULIACEAE) aclimatada no Brasil.

Usada no Candomblé e na Umbanda, onde serve de oferenda para os Orixás e é usado nas práticas divinatórias, cortado em pedaços.

OBRIGAÇÕES - Festas em homenagem aos Guias ou Orixás.

São também as determinações feitas aos médiuns ou consulentes pelos Guias com o objetivo de auxilio ou como parte de um ritual do desenvolvimento mediúnico.

OBSEDIAR - Perseguir.

Ação pela qual os espíritos perturbados prejudicam as pessoas levan-do a situações econômicas difíceis, loucura, etc.

OBSESSOR - Espírito perturbador ou zombeteiro (quiumba) que pre-judica as pessoas.

ODÉ - Oxossi. Oxossi mais velho.

ODÔ, - Saudação de Iemanjá.

OFÃ - Médium responsável pela colheita e seleção das ervas nos ritu-ais.

OGÃ - Auxiliar nas sessões do terreiro.

Ogã pode ser um protetor de Terreiro ou como um Chefe das Curim-bas.

Ambos tem o mesmo grau hierárquico.

Na Umbanda, os Ogãs são naturalmente e normalmente os tocadores de atabaques.

OIÁ - Outro nome conhecido por Iansã.

OKÊ - Saudação aos Caboclos.

Diz-se assim: Okê Caboclo! Okê Oxossi.

OLHO-DE-BOI - Semente de Tucumã, gozando de propriedades prote-toras contra cargas negativas como feitiços, mau-olhado, inveja.

Tem muitas utilidades no terreiro, desde patuás até guia (colar).

OLHO GRANDE - Mau Olhado, inveja, malefício, quebranto.

OLORUM - Deus Supremo.

Entidade suprema, força maior, que está acima de todos os Orixás (Zambi).

OMOLOCÔ - Culto de origem angolense.

OPELÊ DE IFÁ - Rosário feito de pequenos búzios e que é utilizado pa-ra ler o futuro.

ORAÇÃO FORTE - Patuá que consiste em uma oração escrita em pe-queno pedaço de papel, que a pessoa preserva em seu poder, quer guardado no bolso, ou dentro de um pano em forma de saquinho pen-durado no pescoço a fim de proteger-se ou livrá-la de todos os males.

ORI - Cabeça.

ORIXÁ - Divindades africanas que representam as forças do Universo Infinito.

Espírito puro.

Santo.

ORIXÁ DE CABEÇA - Orixá principal do médium.

ORIXÁ DE FRENTE - O mesmo que Orixá de cabeça.

OTÁ - Pedra ritual, elemento e objeto sagrado e secreto do culto.

P

PADÊ - Despacho para Exu no início das sessões ou festas, constando alimentos, bebidas, velas, flores e outras oferendas, a fim de que os mesmos afastem as perturbações nas cerimônias.

PADRINHO - Pai de Santo, Chefe de Terreiro.

PAI DE SANTO - Zelador do Santo, Chefe de Gira, Chefe de Mesa, Che-fe do Terreiro.

Médium e conhecedor perfeito de todos os detalhes para o bom anda-mento de uma sessão.

PALINÓ - Cântico ou poema em louvor a Iemanjá.

PÃO BENTO - Pão ázimo ou qualquer outro tipo de pão, ao qual se do-ta de forças mágicas.

É utilizado em inúmeros trabalhos para diversas finalidades.

Há trabalhos com pão e vela benta para se localizar num rio ou no mar o corpo de uma pessoa afogada, por exemplo.

PARAMENTO(s) - Roupas e objetos utilizados em cerimônias do ritual religioso.

PATUÁ - PA = erradicar doenças, antídoto, TU = propiciar, WA = viver, existir (viver, sem doenças).

Amuleto que é colocado num saquitel (pedaço de pano costurado em forma de saquinho) e é pendurado no pescoço, ou se prende na roupa de uso.

PAXORÔ - Instrumento simbólico de Oxalá usado pelos Pais de Santo em trabalhos.

PEDRA DE RAIO - Meteorito, Fetiche de Xangô, Itá.

PEJI - Altar, Congar.

PEMBA - Espécie de giz em forma cônico-arredondada, em diversas cores, como sejam: branco, vermelho, amarelo, rosa, roxo, azul, marrom, verde e preto, servindo para riscar pontos e outras deter-minações ordenadas pelos Guias, sendo que conforme a cor trabalha-da com pemba, pode se identificar a Linha a que pertence a Entida-de, ou a Linha que trabalhará naquele ponto.

Pedra de giz usada para traçar desenhos mágico-religiosos e de cará-ter invocatório, frequentemente empregados nos ritos de Umbanda.

PERNA DE CALÇA - Significa homem na linguagem de Exu e Pretos-Ve-lhos.

PIPOCA - Comida de Omulu/Obaluaê.

Grão de milho arrebentado na areia quente para ser utilizado em des-carrego.

Descarrego de Pipoca.

PIRIGUAIA - Variedade de búzio.

PITO - Cachimbo ou cigarro de palha usado pelos Preto-Velhos.

PONTEIRO - Pequeno punhal utilizado em magias e diversos rituais.

PONTOS CANTADOS (MANTRAS DE UMBANDA) - Letra e melodia de cântico sagrado, diferente para cada Entidade.

É uma prece evocativa cantada que tem por finalidade atrair as Enti-dades espirituais, homenageá-las.

Quando chegam e despedi-las quando devem partir.

Assim os pontos podem ser apenas de louvor ou cantados com finali-dades rituais durante determinadas cerimônias.

Os pontos cantados na Umbanda são preces e a invocação das falan-ges e Linhas, chamando-as ao convívio das reuniões e no auxilio dos que buscam caridade.

Assim, como toda a religião tem seus cânticos, a Umbanda usa seus pontos cantados, dos quais, não se deve abusar.

Esses hinos representam e atraem forças das Falanges, para trabalhos de descarrego e desenvolvimento mediúnico.

Pontos cantados não devem ser deturpados, ou modificados, para que sua força não se altere, uma vez alterado o efeito não será o mesmo, podendo até ser prejudicial.

PONTOS RISCADOS - Desenho formado por um conjunto de sinais ca-balísticos, que riscado com pemba ajuda a chamar a Entidade ao mundo terreno.

Quando riscado pelo médium incorporado identifica a Entidade.

São identificação dos Guias.

Cada Guia e cada Orixá tem seu ponto riscado.

Os pontos são riscados com pemba.

Mas o ponto não se resume apenas a identificação de um guia, linha, falange ou Orixá, ele pode fechar o corpo de um médium, pois a es-crita sagrada se utiliza de magia para que qualquer espírito perturba-do não se aproxime.

PORTEIRA - Entrada do Terreiro/Templo.

POVO DA ENCRUZA (POVO DE RUA) - Exus.

PRECEITO - Determinação.

Prescrição feita para ser cumprida pelos fiéis.

PUXAR O PONTO - Iniciar um cântico.

É geralmente feito por um Ogã.

Q

QUARÔ - Flor chamada Resedá possuidora de notáveis virtudes mági-cas e grandemente empregada em banhos e defumações.

QUEBRANTO - Mau olhado, feitiço, coisa feita.

Normalmente atinge mais crianças pagãs, mas pode atingir também crianças batizadas e adultos.

O quebranto é cortado com benzimento.

QUEBRAR DEMANDA (QUEBRAR AS FORÇAS) - É anular, desmanchar o efeito de um trabalho para prejudicar ou perturbar uma pessoa.

QUEBRAR PRECEITO - Desrespeitar as regras e hábitos estabelecidos no ritual do desenvolvimento ou dos trabalhos.

QUIMBANDA - Linha de esquerda que com a Umbanda forma o equilí-brio.

Linha espiritual na qual trabalham os Exus e Pomba-giras.

QUIUMBA - Espírito atrasadíssimo, obsessor e perturbador.

Zombeteiro.

São ainda mistificadores, fazendo-se passar por espíritos mais eleva-dos.

Chamados também “rabos de encruza”.

QUIZILA (QUEZILA ou QUEZÍLIA) - Tabu, implicância, interdição, in-disposição em relação a algo ou alguém, conjunto de proibições.

Aversão, antipatia, repugnância, alergia a alguma coisa.

R

RAÚRA - Cambone. Auxiliar nos trabalhos do Terreiro.

RECEBER O SANTO - Incorporar.

Entrar em estado de transe com o Guia ou Orixá.

REDENTOR - Jesus Cristo.

REINOS - Uma das divisões dos mundos espirituais.

Domínios dos Orixás.

Alguns exemplos: Juremá, Pedreiras, Fundo do Mar, Humaitá, etc.

RESPONSO - Oração em latim para determinado santo para se conse-guir uma graça.

RISCAR PONTO - Fazer desenhos de sinais cabalísticos que represen-tam determinadas Entidades espirituais e que possuem poderes de chamamento das mesmas ou lhe servem de identificação.

ROÇA - Terreiro, Centro.

RONKÓ - Quarto onde estão os assentamentos dos Orixás.

S

SACUDIMENTO - Ato de realizar limpeza, lavagem e varredura do ter-reiro e/ou seus filhos.

Descarrego.

SAÍDA DE YAÔ - Cerimônia de iniciação do filho de santo no Candom-blé ou no culto Omolokô.

SAL (GROSSO) - Empregado sob diversas modalidades nos Terreiros, principalmente como elemento em banho fixador de determinada energia.

Também empregado como elemento para descarrego do local quando colocado com um copo de água atrás da porta, absorvendo assim as energias que por ali passam.

É erroneamente empregado como banho de descarrego, para tal de-ve-se utilizar apenas as ervas do Pai de cabeça do usuário deste.

SALUBÁ (SALUBÃ) - Saudação de Nanã.

SAMBORE - Também vem do Cabula e do Omolokô, Samba = pular com alegria, ou seja, momento de grande energia onde as sambas do Cabula e do Omolokô pulavam com alegria.

Sambore, pemba de angola” - quando risca o ponto, canta o ponto para a firmeza dos trabalhos.

SANTERIA - Nome da religião de origem caribenha irmã do Candom-blé.

Também conhecida por: Regla de Ocha, La Regla Lucumi ou simples-mente Lukumi.

SARABUMBA - Salve, o mesmo que Aruê.

SARAVÁ - Saudação umbandista que corresponde a Salve! Viva!

SEREIA DO MAR - Janaína, princesa d´água.

Pode representar também como Yemanjá dentro de um contexto.

SINCRETISMO - Fusão de diferentes cultos ou doutrinas religiosas, com reinterpretarão de seus elementos.

Fenômeno de identificação/coligação dos Orixás com os Santos Cató-licos.

T

TRONQUEIRA - Local destinado para ser feita a segurança primeira do terreiro, localiza-se de frente para a rua, do lado esquerdo de quem entra.

TUIA - O mesmo que Fundango, Pólvora.

TUMBA - É uma palavra congo-angolesa [Kimbundu] que significa pa-rente ou pessoa íntima.

Dicionário: Sepultura, Campa, Jazigo, Sepulcro.

U

UMBANDA (AUMBANDAN) - Manifestação do Espírito para a caridade.

Religião brasileira fundada pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas em 1908.

Definição no dicionário Michaelis: “sf. (Quimbundo Umbanda).

1 Folc. - Primeiramente designava o chefe das macumbas cariocas, mas passou a designar a própria cerimônia.

É culto religioso e mágico e atualmente até sincretizado com o catoli-cismo romano e o espiritismo.

2 - Magia branca praticada com finalidade construtiva, cura, orienta-ção moral dos transviados etc.

3 - Cerimônia religiosa.

4 - O mesmo que quimbanda”.

5 - Outra definição interessante encontra-se na origem da palavra Umbanda no alfabeto Adâmico; no qual: Aum = “Divindade Suprema” + Ban = “conjunto ou sistema” + Dan = “regra ou lei”, formando: “CONJUNTO DAS LEIS DIVINAS”.

UMBANDISTA - Praticante, Crente, Seguidor da Umbanda.

UMBRAL - Estado ou local por onde passam a maioria dos humanos após a morte, lá os desencarnados experimentam sofrimentos “físi-cos” e morais, como a sensação da necrose do corpo e a vergonha de se ver incapaz de ocultar suas fraquezas e desejos mais íntimos dos olhares curiosos e/ou inquisidores de outros espíritos.

Região interdimensional destinada ao esgotamento dos resíduos men-tais no processo em que a alma abandona o corpo após sua morte.

O Purgatório.

V

VIRAR NO SANTO - Entrar em transe. Incorporar.

VODUN (VOODOO, VODU ou VUDU) - Também conhecido por “Sèvis Gine” ou “Serviço Africano”, é uma religião originada na África Oci-dental que se tornou conhecida no Novo Mundo através dos escravos vindos da África.

O Vodun da África Ocidental é a forma original da religião que se des-dobrou no Vodou Haitiano, Voodoo da Louisiana e Candomblé Jejê no Brasil.

Na Quimbanda é conhecida e trabalhada pelos Exus, principalmente os Caveiras.

X

XANGÔ (SHANGO ou SANGO, na origem Yorubá) - Orixá da justiça.

É sincretizado com São Jerônimo, São Pedro, São João Batista, cujo poder se manifesta na pedreira.

Seu símbolo é o machado de duas faces, significando que o machado tanto protege seus filhos das injustiças como os pune quando as cometem, bem como a estrela de 6 pontas cujo símbolo é em si o poder equilibrador do universo.

Y

YALAORIXÁ (IALORIXÁ) - Mãe de Santo.

YAÔ (IAÔ) - Médium feminino no primeiro grau de desenvolvimento do Terreiro.

YANSÃ (YANSAN, IANSÃ ou INHAÇÃ) - Santa Bárbara.

Senhora dos Ventos, raios e tempestades.

No Candomblé, onde também é chamada de Oyá, é representada com um alfanje e uma cauda de animal nas mãos, e com um chifre de bú-falo na cintura.

YEMANJÁ (IEMANJÁ) - Orixá sincretizada com Maria Mãe de Jesus.

Senhora da Calunga Grande (mar).

Mãe das Águas.

Nossa Senhora dos Navegantes.

Nossa Senhora da Glória.

Z

ZAMBI (NZAMBI) - O Deus supremo na Umbanda.

O Criador nos Candomblés de Nação Angola, equivalente à Olorun do Candomblé Ketu.

Zambi é o princípio e o fim de tudo.

O texto não traz o nome do autor

Pub 2016

Se desejar continuar lendo mais Outros
Textos sobre Umbanda clique em
Voltar

Se desejar conhecer mais sobre
a Umbanda clique em
Voltar