Umbanda: Texto: As cores dos Orixás
 


As cores dos Orixás

Comentar sobre as cores dos Orixás é o mesmo que tentar equilibrar-se e manter-se ereto na crista de uma onda, ou parar todos os movi-mentos no meio de um ciclone, pois nenhum Orixá tem uma única cor.

Isto tudo é apenas fruto da tentativa de individualizar o geral e gene-ralizar o individual.

Como dar cor a uma energia?

Desde Oxalá, no extremo positivo, até Omulú, no extremo negativo, todos trazem em si tantas cores que, por não serem visíveis aos olhos humanos e serem ainda desconhecidas, é-nos impossível comentá-las.

Afinal, todo Orixá é um mistério em si mesmo, e, por ser um misté-rio, por sua própria essência divina, assume a cor que lhe atribuem, além de todas as outras, pois um mistério é a Manifestação Divina do Divino Criador tornada visível aos olhos humanos, os quais, por mais que estudem, jamais serão capazes de penetrar no interior de um mistério para desvendá-lo.

Em verdade, um Orixá irradia todas as cores, pois irradia em todas as sete faixas ou padrões vibratórios, e cada tipo de vibração, ao gradu-ar a velocidade do giro, pode ser para mais ou para menos, dá uma cor a cada um dos elementos irradiados na forma de energias.

Por isso, uns dizem que Ogum é azul e outros dizem que é vermelho.

Ou uns dizem que Xangô é vermelho e outros dizem que é marrom.

Os Oguns individualizados assumem a cor vermelha, na Umbanda, porque o próprio astral aceitou essa classificação que fixaria a sua identificação e facilitaria seu entendimento.

E o mesmo ocorreu com o marrom de Xangô.

Mas nós sabemos que as cores dos Oguns variam de acordo com a fai-xa vibratória em que atuam.

E o mesmo acontece com todos os Orixás, pois temos Iansãs que irra-diam a cor amarela, a cor vermelha, a cor azul, a cor cobre, a cor dourada, etc.

Logo, discutir a cor dos Orixás é um assunto ainda desconhecido no plano material.

O comprimento de onda ou a velocidade da irradiação é que determi-na se uma energia irradiada é azul, verde ou vermelha.

E o comprimento de onda ou velocidade obedece ao tipo de elemento e ao padrão vibratório da faixa por onde ele está sendo irradiado.

No padrão vibratório cristalino, as cores das energias praticamente desaparecem.

No padrão vibratório telúrico, elas assumem tonalidades tão densas, que temos a impressão de poder pegá-las com as mãos.

Além do mais, dentro de uma mesma faixa vibratória, temos os subní-veis vibratórios.

E aí a coisa complica ainda mais, porque, nos subníveis mais eleva-dos, as cores se sutilizam, e, nos mais baixos, elas se densificam.

Mas todos os Orixás são Mistérios Divinos e aceitam, sem discussões, as cores que já lhe atribuíram ou haverão de atribuir lhes, pois, como Mistérios, trazem em si todas as cores.

Então, que na mente das pessoas se afixe a cor que melhor irá permi-tir sua interação vibratória com seu querido Orixá, pois através dessa via colorida seu Orixá atuará em todo o seu mental, espiritual, emo-cional e físico, e o fará com tanto amor que, no fim, no imenso ocea-no da vida, todos serão cintilantes e multicoloridos “pingos” de amor à criação e de fé, muita fé, no nosso amoroso Criador.

Agora passaremos aos nossos amados filhos de santo e filhos de fé, as cores que temos permissão de revelar, e que, se estudarem um pouco acabarão descobrindo fundamentos profundos no campo das irradia-ções energéticas que começam a acontecer após nossos “pedidos” e orações, invocações e firmezas, irradiações e cantos.

Oxalá: Branco, cristalino, furta-cor

Oyá-Tempo: Azul escuro, branco, preto/prata

Oxum: Rosa, dourado, azul, amarelo

Oxumarê: Azul, furta-cor, lilás, azul celeste

Ogum: Azul escuro, prateado, vermelho

Iansã: Amarelo, dourado, vermelho coral

Xangô: Marrom claro, dourado, vermelho

Oroiná-Egunitá: Laranja, dourado, vermelho

Oxossi: Verde, azul escuro, magenta

Obá: Magenta, dourado, vermelho

Obaluaê: Branco, prateado, violeta, branco/preto

Nanã: Lilás, azul claro, roxo.

Iemanjá: Branco azulado, prateado cristalino, azul profundo (anil), azul claro

Omulú: Vermelho, preto, roxo, branco

Exu: Preto, vermelho

Pomba-gira: Vermelho, preto

Portanto, fiquem com as cores que já se tornaram padrão e está tudo certo para os nossos amados Orixás, uma vez que eles querem vê-los a partir de sua fé, que deve ser pura e imaculada.

Por: Rubens Saraceni - 30/05/2014

Pub 2016

Se desejar continuar lendo mais Outros
Textos sobre Umbanda clique em
Voltar

Se desejar conhecer mais sobre
a Umbanda clique em
Voltar