Uma homenagem à Inconfidência Mineira


... quae sera tamen!

No Brasil, dor, tristeza e tormento,
sonhos pátrios não quer Portugal;
sob o céu do Cruzeiro, lamentos...
Não ser livre é sofrer sem igual!
Liberdade... um sonhar que ensandece,
tão além do bom senso e razão,
em seu nome, da vida se esquece...
Em seu nome... Morrer é ilusão!

Na calada da noite reunidos,
bravos vates propõem-se a missão,
do mais vero desejo embebidos,
de trazer alforria a este chão.
Liberdade... um sonhar qu'alma aquece
das Gerais Minas d'ouro em opressão,
Liberdade, no canto, na prece...
Por amor, os seus vates se dão!

Com esquadro, compasso, com régua,
homens livres tracejam a Nação,
mas o mal que domina é sem trégua
e a perfídia se veste de irmão.
Vila rica, onde a noite escurece,
em seu bojo o pulsar da traição...
Um Silvério cruel tramas tece
vende a Pátria, em servil delação.

A conjura é, por fim, sufocada,
aos heróis, morte, exílio e prisão;
terra santa de sangue impregnada,
em seu ventre eterniza a oblação.
Liberdade é sonhar que floresce,
bem maior que rancor ou paixão,
no lutar de quem, hoje, padece,
Liberdade... Teus bardos estão!

Quando houver no Brasil igualdade,
pão, saúde, trabalho, instrução,
dirão vozes, no além, "Em verdade,
todo nosso sofrer não foi vão!"

Patrícia Neme



 

 
Anterior Próxima Poetas Menu Principal