Partilha


Te entrego quadros, livros, cobertores,
- e o ciúme, sempre tão sem fundamento! -;
também cada panela... e "Os Três Tenores"...
- por fim, se esgota o veio do tormento -.

A casa... E esse jardim sempre sem flores...
- qual foi nosso viver: de amor isento! -;
os móveis - e quaisquer outros valores...
É tudo teu, sem queixas, sem lamento.

Comigo... vão uns restos de esperança,
pedaços de um sonhar, que não se cansa,
de acreditar que a vida não morreu.

Comigo, do existir, a liberdade,
e o alívio de não mais sentir saudade
de tudo quanto fui... e ainda sou eu!

Patrícia Neme


 

 
Anterior Próxima Poetas Menu Principal