Há silêncio no meu cantar


Pois tanta é a dor errante no meu peito,
a percorrer-me, qual ferida fera...
Que o verso, constrangido, jaz, desfeito...
Sem rima, sem poesia, sem quimera.

Apenas o silêncio, algo sem jeito,
solfeja um acalanto, eu creio, à espera
do renascer do sonho, amor perfeito,
onde a saudade, a luz não encarcera.

E as notas vão soando, ´vagarzinho,
buscando, na tristeza, abrir caminho,
ao pensamento em busca de alegria,

Ao ressurgir dos tons dos meus cantares,
libertos dos reticentes pesares...
Ao sussurrar da luz de um novo dia.

Patrícia Neme


 

 
Anterior Próxima Poetas Menu Principal