O silêncio que recebo


Recebo o silêncio
da alma contrita e embebida em solidão,
amargo fel na boca esquecido e no olhar o desprezo.

Recebo o silêncio
de mantidas mãos vazias e pés descalços no frio do chão,
abandonada e através da imensidão do nada pouco revejo.

Recebo o silêncio
do coração cansado, trancado em grades de cruel prisão,
perde partida do trem que lhe transporta os sonhos para o além.

Recebo o silêncio
dos versos a guardar segredos de dor em completa exaustão,
mudo o amor como um derrogador que não permuta...

apenas silencia porque,também, não escuta.

Gui Oliva
Santos - SP - 20/06/2007




Fundo Musical: Autumn Rose - Ernesto Cortázar
 
 
Anterior Próxima Poetas Menu Principal