Livro Encontro I - Ano de 1979 -
Poesia classificada em 4º lugar

ANTOLOGIA DO SONHO - Romeu Franzen

   Subitamente, o impacto.
   A tela gigantesca do mundo.
   E vi gente matando gente
   Na guerra, nas estradas, na cidade
   Nos bairros, nas casas, nos albergues, nos motéis...
   Vi a doença, o ódio,
   A fome, as drogas, os anticoncepcionais,
   Os entorpecentes matando gente...
   E fiquei pensando nas ruas cheias,
   Cheias de gente, de homens que não são homens,
   Mas que são massa, são correria, são aglomerado...
   Fiquei pensando naqueles prédios
   Vomitando gente, derramando gente
   Espalhando gente por aí...
   Pensei na máquina dominando o homem,
   Na tecnologia escravizando o homem
   E nem lembrava como era antes,
   Antes, quando o homem ainda era gente,
   Antes do homem devorar o homem,
   Quando gente tinha coração, tinha sentimento,
   Tinha lágrimas para chorar, para sentir emoção...
   Antes, quando a gente vivia e deixava viver!
   Esqueci... simplesmente e misturei-me;
   Fui obrigado a misturar-se para não ficar marginalizado,
   Para não ficar de fora e...
   Certifiquei-me da crueldade,
   De gente inocente sendo massacrada, imunada,
   Dispensada da vida - simplesmente...
   Vi fantasias, rebeliões, massacres...
   Vi crianças serem varridas
   Das calçadas da índia;
   Vi gente morrendo nas guerras
   do Vietname, da Coréia,
   Do Paquistão, do Egito;
   Vi gente morrendo nas filas de
   ienepeesse, sem socorro;
   Vi gente sofrendo ausência,
   Ausência de paz, de afeto,
   De calor humano, de familiares,
   De filhos, de pais, de amor,
   De solidariedade
   Em muitos lugares onde a vegetação humana
   Se desenvolve, atropela,
   Mata, irrita,
   Se esconde de medo das bombas,
   Das armas secretas,
   Dos grandes homens sem alma, desumanos.
   Vi "colmeias" humanas
   Sendo tragadas pelos sismos,
   Pelos vulcões, pelas mãos
   De homens sedentos de sangue,
   Sedentos de matar, de arrasar,
   Ceifando vidas inocentes
   de indefesas crianças...
   Vi a compra de gente
   A venda de gente por dinheiro,
   Por mercadorias, por petróleo,
   Vi a devastação de cidades
   Pela fome, pelo egoísmo,
   Pela ganância irracional
    Onde o valor se transformou
   Em vegetar, em condicionamento,
   Onde a vida é consequência
   De atitudes, de negócios,
   De guerras, de egocentrismos...
   Vi mais...
   Vi o amor sendo comercializado,
   Instrumentalizado,
   Maquinizado e objeto de
   Desintegração da sociedade,
   Da família,
   Do indivíduo...
   Um drama perfeito na montagem,
   Desumano ao final;
   Por causa de incompreensão, da desmoralização...
   Um quadro de acontecimentos
   Representativos de uma era
   Que neutraliza o homem,
   Enganando-o, matando-o,
   Comprando o vendendo gente
   Como se compra e vende coisa...
   Vi casas destruídas,
   Famílias desmoronando,
   Sonho esvaindo,
   Vidas desaparecendo,
   Celeiros abertos e vazios,
   A fome ruminando,
   Crianças mortas, matadas
   Homens gritando por ajuda,
   Gente sedenta de sangue,
   Bombas, armas, homens, crianças,
   Religião política, economia,
   Vida sonho morte
   Na miscelânea do mundo, da vida...
   Vi o fantástico, o sugestivo,
   A vida e morte juntas,
   De mãos dadas
   Nesta viagem do sonho real...
   Depois
   Eu me sentei como réu ante o mundo, ante os homens,
   E fui julgado por juízes peritos, grandes,
   Por homens de países, de Estados
   De sociedades, de famílias e
   Até por vocês...
   E no final de tudo fui absolvido
   Por unanimidade de votos porque
   Hoje, para poder viver, para poder
   Ter um lugar ao sol,
   Tenho que esquecer de ser gente
   E misturar-me com os outros,
   Para me tornar máquina,
   Para matar,
   Para enganar,
   Para mentir,
   Para não mais sorrir,
   Para não mais amar,
   Para não mais existir como gente
   E me tornar assim
   Ator nessa tela...



Formatação de Carlos Roberto Lemberg
 

 
Anterior Próxima Fundação Copel Menu Principal