Espectro - Anna Paes

(Pensas acaso que sou espectro? / Que nada me dói?
Que não choro ou que não tenho lágrimas,
quem saberá dizer isso? / Abro mão do que sinto
em teu favor.)


Seria lindo escrever-te não fora esta dor aqui contida!

Teus versos a mim oferecidos
#um dia#
São agora apenas letras soltas ao vento.
Engavetados num diretório qualquer!
Tua saudade?
Ficou esquecida num canto da sala!
As flores que me destes?
Murcharam todas!!
Ressecaram-se as pétalas, esfacelaram-se!
O meu amor por ti?
Navega perdido em alto mar,
qual navio fantasma
em noite de lua cheia!

Anna Paes
Brasília - DF - 06/12/2006

Quem perdeu???? - Glácia Daibert

Fora vc. que não acreditou.....
Com esse "ar" de poderoso, desprezou-me....
Eis-me aqui, agora, a declarar suas falhas;

Seria muita tola se acreditasse em suas fantasias...
tentou comparar-me com alguém...
ledo engano....
eu sou única....
sou poderosa, no quesito amor....

Eis você, um fracassado...
atrás de algo que nem poderia descrever...
responderei por si...

Perdoe-me Senhor,
pelas tentativas fracassadas...
por tentar ser o que nunca fui...
pela inibição das palavras...
pelo apelo mal sucedido....

Eis-me, aqui, em um náufrago,
de abandono, de desprezo, de angústias...
minha "onda" está por vir...
saberei como "surfar" nas ondas da vida!

Glácia Daibert
Uberlândia - MG - 06/12/2006 - 21:05 hs

Anterior Duetos Menu Principal