Fazer amor - Glácia Daibert

Fazer amor é coisa séria de mais...
Não basta um corpo e outro corpo,
misturados num desejo insosso,
desses que dão feito fome trivial,
nascida da gula descuidada,
aplacada sem zelo, sem composturas, sem respeito
atendendo exclusivamente a voracidade do apetite.

Fazer amor é percorrer as trilhas
da outra alma, uma alma tateando outra alma,
desvendando véus, descobrindo profundezas,
penetrando nos escondidos, sem pressa
com delicadeza...
porque alma tem tessitura de cristal,
deve ser tocada nas levezas,
apalpada com amaciamentos...
até que o corpo descubra cada uma das suas funções.

Quando a descoberta acontece
é que o ato de amor começa.

Glácia Daibert
Uberlândia - MG

Por que "Fazer amor"? - Marcial Salaverry

Por que se diz, "fazer amor"?
Não se faz o amor...
O amor é sentido,
com a alma é vivido...
Ele não pode ser feito,
pois é o sentimento perfeito...
É vivido com paixão,
e não admite compaixão...
O amor é a entrega da alma,
da vida, do coração...
É a total doação...
O amor não se faz,
é algo que na alma se traz...
No ato de amor nos envolvemos,
corpo e alma... nos perdemos,
mas o amor não o fazemos,
simplesmente, o vivemos...
Vem lá do fundo... explode,
e nossa vida sacode...
Não se pode "fazer amor"...
Não, se for verdadeiro esse amor...

M
arcial Salaverry
Santos - SP