Era uma vez... - Arlete Piedade
 

Era uma vez, um pobre, triste e solitário menino
Vivendo fechado em antiquado e lúgubre casarão...
Sem conhecer da vida as razões daquele destino
Separado de sua mãe, família e de seu irmão...

Sem afagos, não havia sorrisos em seu rosto,
Severos deveres a cumprir em duro quotidiano
Maus tratos na alma e sofrimentos no seu corpo
Fome imutável, doença, frio, abandono e engano...

A duras penas aprendeu a arte da sobrevivência
Suas armas na luta diária, o desespero e a dor
Vendo pelo Natal os companheiros de vivência
Receberem os afectos, os presentes e o amor

Sentia em sua alma confusa, a incompreensão
Do significado do Natal que como sonho intuía
Seres afectuosos tais deuses que na sua ilusão
O amariam se fizesse parte desse mundo, um dia...

Mas preso estava de obrigações já tão pequeno
Mas sonhar podia pela madrugada escura, afora....
E nessa noite de Natal, um luminoso anjo sereno,
Fez-se presente e cantou até ao nascer da aurora

Em doce melodia e pura voz maviosa lhe assegurou
Que em sua vida futura seria um bravo cavaleiro mago
Seres afectuosos fariam parte de seu dia, tal sonhou
Mesmo que não os visse, sua alma sentiria terno afago

Então dos grandes olhos escuros uma lágrima rolou
Ardente em fio escorreu em seu rostinho dolorido
Querendo abraçar aquele ser de luz, que lhe escapou
Deixando uma ténue esperança em seu peito doído

E a manhã de Natal chegou, clara, luminosa, e decidido
Ergueu-se para mais um dia de guerreiro, enfrentar
Mas a sua solidão como por magia, tinha desaparecido
Entes de luz, docemente sua alma, vinham acariciar...

Arlete Piedade (Fada das Letras)
Santarém/Portugal

Final feliz - Denise Severgnini

Eu vi um menino navegando no tempo
Com uma triste historia a ser contada
Criança sem brinquedo ou passatempo
Só havia um sonho na fria madrugada

Deus não esqueceu deste filho querido
Apesar da dura pena e da cruel solidão
Apagou a desventura do tempo já ido
Desenhou réstia de alegria no coração

Eu vi um menino tão pequeno e sonhador
Com inspiração onírica e tão medieval
Metade mago imaginário...mui encantador
O outro meio...Cavaleiro da veste celestial

Deus não esqueceu deste ente de luz
Desenhou-lhe a arte com ofício de vida
Ofertou-lhe o dom da palavra que seduz
E anjos luminosos que lhe dão guarida

Como toda história precisa de um final
Esta começou triste e muito dolorida
Finaliza com esperança de bom Natal
E muito amor a toda pessoa querida

Denise Severgnini
Novo Hamburgo - RS - Brasil


 
Anterior Próxima Duetos Menu Principal