Hoje - Carmo Vasconcelos

Por hoje decidi ficar comigo,
A mente nua, isenta de sensores,
Tal um amplo celeiro, ausente o trigo,
Ou coração liberto, sem temores.

Por hoje só pretendo a liberdade,
Dispersa a luz total do pensamento,
Ao ponto de expulsar qualquer saudade
E sombra de paixão ou desalento.

Por hoje vou dar rédea solta à estúrdia,
Unir-me à multidão alucinada,
Misturar minha voz co’as da balbúrdia!

Beber, amar, cegando a culpa e o juiz.
Da fascinante noite, irmã, e aluada,
Ser astro sem memória… Ser feliz!

Carmo Vasconcelos
Lisboa - Portugal -  18/08/2010
http://carmovasconcelos.spaces.live.com

Hoje - Odir Milanez da Cunha

Eu hoje resolvi pensar em nada.
Deixar a mente mergulhar no branco
como se fosse casa abandonada,
levar nos lábios meu sorriso franco.

Eu hoje decidi que não me tranco
além de não pensar, pois é chegada
a hora de evitar o solavanco
da vida, que me cansa da jornada.

Eu hoje vou fazer o que desejo.
Dizer as coisas que não mais se diz,
tocar canções de amor no realejo!

Comer empada, torta, e pedir bis,
distribuir abraços, dar um beijo...
Eu hoje vou cuidar de ser feliz!

Odir Milanez da Cunha
João Pessoa - PA - Brasil - 18/08/2010

Anterior Próxima Duetos Menu Principal